quarta-feira, 6 de abril de 2011

ep. 05 - (DES)AMOR À DISTÂNCIA - parte 1 - o abismo


Quando Andréa conheceu Fernanda, esta estava no começo da faculdade. Paixão à primeira vista. Tão diferentes, mas tão tolerantes, a paixão evoluiu para uma linda história de amor. Andréa gosta da noite. Fernanda prefere um DVD com pipocas (mesmo que tenha dormido em quase 100% dos filmes que se propuseram a ver juntas). Fernanda só ficava acordada para fazer, na casa de Andréa, trabalhos da faculdade. Fernanda não tinha computador, e Andréa deixava Fernanda usá-lo.
O tempo passou, a faculdade terminou, e Fernanda foi tentar a sorte em São Paulo, com total apoio de Andréa. Junto com dois colegas da faculdade, alugou um apartamento próximo à rua Frei Caneca. Seria este grupo e outros três morando relativamente perto a prolongar a atmosfera universitária.
Feriado prolongado. Andréa vai a São Paulo visitar Fernanda. Esta reclama estar sem dinheiro. Andréa ouve, mas sabe que lá vai dar um jeito de arrastar Fernanda nem que seja para tomar uma coca cola na mesa de algum bar gay. Quando Andréa está saindo para encarar a estrada, Fernanda liga perguntando se ela ia demorar, pois um colega de seu apê a chamou para ir a um happy hour e queria estar de volta quando a namorada chegasse. Andréa estranhou Fernanda ir, pois reclamou a semana toda da falta de dinheiro.
Logo que Andréa chegou, primeiro os beijos de saudade, em seguida o amor aguardado, e carinhos. Depois foi buscar no carro o resto da mudança de Fernanda e contou a novidade: ia começar uma pós graduação dali a um mês.
Ao acordarem no dia seguinte, Fernanda passou o roteiro do fim de semana: Almoço na Benedito Calixto, um bar da Vila Madalena à noite, almoço no apê de uns amigos no outro dia, uma balada à noite. Andréa não negou fogo em nenhum programa.
Na balada, Fernanda tão carinhosa, tão apaixonada. Na pista, ao som de uma música dançante, uma declaração de amor eterno ao pé do ouvido, entre beijos e abraços, que provocou arrepios. Aquela era, sim, a mulher com quem queria envelhecer junto.
O fim de semana passou e Andréa preparava a volta. Almoçou com Fernanda e saiu para encher o tanque do carro. Ao voltar, encontrou Fernanda, às lágrimas.
Ela estava terminando o relacionamento de três anos. Esperou o fim de semana inteiro para isso. Não deu uma explicação convincente. Dizia frases soltas: estava insegura com sua situação de começar a batalhar numa cidade grande, morava numa região onde a tentação estava em todas as esquinas (para quem não sabe, na região da rua Frei Caneca moram muitos gays – homens e mulheres – de São Paulo) mas fez questão de frisar que a distância de Andréa seria cruel, já que ela, pra atrapalhar, inventou uma pós graduação e não poderia vê-la frequentemente, já que as aulas seriam aos finais de semana.
“Inventei uma pós?” Andréa saiu arrasada do apartamento de Fernanda. Não chorou. Não conseguiu. Mas entrou na entrada com duas palavras cravadas em sua cabeça (POR QUE) e uma interrogação (?) pendurada por uma corda enfiada em seu coração, puxando-a para um abismo.





(Continua daqui a alguns posts)

7 comentários:

Mari disse...

E vamos a pergunta? O amor resiste a distancia?
Existe muitas respostas:
Depende das pessoas envolvidas.
Sim. Se o amor é verdadeiro, na verdade muitas respostas.
Eu acredito que o amor até resiste sim, o que não resiste é o relacionamento.
Relacionamento para mim é o dia a dia, é ter com quer contar quando vc pega aquela super gripe, é dormir junto ... e não só dormir junto em feriados prolongados....

enfim......

DPNN disse...

Respondendo à dúvida que você deixou lá no Blogayros:

"Só para eu entender a dinâmica da divulgação dos blogs. É por postagem? Porque a minha postagem anterior (A cerveja e o cigarro) aparece, mas a mais recente (Desamor à distância) não foi listada."

Os blogs aparecem em ordem de atualização. É automático, sempre a mais atual aparece no topo, assim os leitores ficam sabendo das notícias mais frescas. Fui lá conferir, está aparecendo a sua última postagem normalmente.

Um abração!

Mari disse...

Ola!!!
Tem selinho de presente pra vc la no meu blog!
Passa la pegar!
Bjos
http://semnenhumpreconceito.blogspot.com/

Claudia Alves disse...

Ah, o amor, os relacionamentos.
São tão difíceis de compreender as vezes.
Como pode a Fernanda ter feito isso, sem nenhuma explicação fundamentada?
Bom, vou esperar o próximo post pra saber o que realmente aconteceu, se tem continuação fica difícil comentar assim.
Aguardando,então
http://claudiaalvesinteriores.blogspot.com/

Lobo disse...

Eu vivo uma coisa dessa, de o alguém ser muito diferente de mim. Mas a gente leva... sempre dá pra levar. Saber conversar é a maior parte do negócio.

Um beijo!

Omar disse...

acho que a longo prazo o amor não resiste a distância, afinal conhecemos pessoas interessantes todos os dias, e a ausência da pessoa amada pode fazer você se desapegar dela, mas acho que não foi esse o motivo da separação entre Fernanda e Andréa, tem alguma coisa por tras disso...

aguardando o próximo post... e parabéns pelo blog!

Daniel disse...

E quem tem a respostas para perguntas que já são por si uma resposta?